Boa noite*

6 de abril de 2013


Encontrei este texto quando andava a pesquisar uma coisa no google.
É grande sim, mas vale mesmo a pena ler.
É tão, mas tão verdade!
É deste blog.

Irei avisar os restantes seguidores do novo link amanhã, já estou cansada...

Fiquem com o texto:
"Tu pensas que tens medo da morte, mas, na realidade, do que tu tens medo é da vida. Sem vida não há morte, e todos os dias tu corres o risco de partir, corres o risco de não acordar mais, e nunca mais voltares a ver as pessoas que realmente amas. Tu tens medo do que está para além disso. Tu não sabes se há vida depois da morte, não sabes se o céu ou o inferno existem. Tu pensas que sabes o que vais fazer do teu futuro, mas na realidade tu és simplesmente um boneco do destino que te obriga a fazeres aquilo que ele quer. Tu não controlas os outros, o mundo não gira à volta dos teus sentimentos, os outros não são comandados por ti.

Tu não podes viver a tua vida com medo do escuro, porque na realidade não é o escuro que te atormenta, é sim o que lá possa estar, é sim os segredos de algo que tu não consegues ver nem controlar, é sim o medo do desconhecido, o receio do que possa aparecer num espaço onde tu não consegues ver, porque os teus olhos não vêm algo que não esteja iluminado.

Tu achas que tens medo da solidão, mas, sinceramente, tu não tens. Não tens porquê? Porque tu tens medo de ti mesmo. Tu não ficas só de um momento para o outro, não ficas sem ninguém porque sim, tu ficas sem ninguém porque tu o provocaste. Tu ficas só, simplesmente porque erraste, porque não fizeste o que tinha de ser feito. Tu não tens medo da solidão, a solidão é só uma consequência dos teus actos, é só um depois de um antes errado.

Tu não tens medo de cair, tu na realidade tens medo de estar levantado. É estranho porque tu todos os dias corres o risco ter uma recaída, corres o risco de ires a baixo, e por algum motivo que nem tu percebas, cais. A culpa não é da queda, mas sim daquilo que te mantinha em pé, a culpa é daquilo que não teve força para te segurar, não teve força para não te deixar cair quando estavas prestes a faze-lo, a culpa é toda das forças que juraram lealdade e não a cumpriram.

Tu não tens medo de ninguém, tu tens medo das atitudes desse alguém, porque são elas que te fazem pensar e tirar conclusões sobre a vida de uma pessoa que tu não conheces realmente. Ninguém é macabro por natureza, ninguém faz coisas horríveis porque quer, as pessoas, tal como tu, têm dias piores, pessoas que não suportam e atitudes que não são as melhores. Ninguém tem culpa de ser como é, todos nós, tu, eu e todos os outros, somos assim, somos incompreensíveis de certa maneira e tão maravilhosos de outra. Tu não tens medo de ninguém, simplesmente tens medo da tua interpretação das atitudes e dos problemas dos outros.
Tu não tens medo da tristeza, na realidade, tu tens medo da felicidade. Sinistro não é? Mas a cada palavra que tu dizes, a cada palavra que tu ouves, a cada momento que tu passas, a cada sorriso que tu dás, há alguém no mundo a chorar, alguém no mundo com a cabeça debaixo da almofada, há alguém a sofrer. Para tu estares feliz, há sempre alguém que se sacrifica, há sempre alguém que está triste, há sempre alguém que não está feliz. Quando é ao contrario, eu sei que tu passas na rua e te sentes cada vez pior quando vês alguém feliz, parece que nada é justo e que só queres desaparecer, só queres voltar para o lugar de onde vieste e não sair do teu quarto."


Sigam-me outra vez no bloglovin!

7 comentários:

  1. A que se deveu o que me disseste agora?
    Estou completamente descontextualizada.

    ResponderEliminar
  2. Oh apenas não estou bem e preciso do meu espacinho so para mim uns tempos:/

    ResponderEliminar
  3. Super verdade!
    R: Eu fiquei chocada por nem sequer conhecer as pessoas que fazem aula ao meu lado xD

    ResponderEliminar